Vídeos e Receitas de Sobremesas | I COULD KILL FOR DESSERT

Siga o ICKFD nas redes sociais

Onde encontrar os melhores Fish and Chips de Londres

Publicado em:

Quando alguém pergunta sobre um prato típico da Inglaterra, a primeira coisa que vem na cabeça de quase todo mundo é o famoso fish and chips! Indeed, não existe nada mais popular na culinária do país. Essa combinação de peixe empanado com batata frita pode literalmente ser encontrada em quase todos os cantos de Londres. Há muitas boas opções pela capital inglesa, mas não custa pesquisar um pouquinho antes de se aventurar pelo prato mais tradicional da Inglaterra. Para facilitar, confira aqui cinco lugares que são muito lembrados como os melhores fish and chips de Londres!

POPPIES

Com decoração retrô que inclui uma jukebox dos anos 50 e outros itens dessa época, o Poppies tem uma fama enorme de ser um dos melhores fish and chips em Londres. Dos peixes, eles têm as opções de cod (bacalhau) ou haddock, que podem ser fritos ou grelhados. O bacalhau deles, porém, é diferente do que conhecemos aqui no Brasil e lembra qualquer outro peixe branco comum. Para quem não quiser comer o fish and chips no local, eles têm opção de takeaway, que vem em uma embalagem bonitinha lembrando os jornais de antigamente.

poppies-fish-and-chips-bkarmstrong-ickfdPoppies-fish-and-chips-londonPoppies. (Fontes: Bkarmstrong / Divulgação)

Poppies. 6-8 Hanbury Street. London. Tel: +44 20 7247 0892. poppiesfishandchips.co.uk.

THE GOLDEN HIND

The Golden Hind esbanja tradição por simplesmente ser um restaurante que já completou um século de história servindo o prato mais tradicional da Inglaterra. Justamente por isso eles dominam tão bem a cozinha na hora de preparar seus fish and chips! O restaurante é bem pequeno, com jeito de estabelecimento familiar, e fica no bairro de Marylebone.

the-golden-hind-fish-and-chips-ickfd-freedictionaryPhotography by Kang LThe Golden Hind. (Fontes: Free Dictionary / London Eater)

The Golden Hind. 73 Marylebone Lane. London. Tel: +44 20 7486 3644.

GEALES

Geales é um estabelecimento famoso entre os locais de Notting Hill. Atualmente, também tem uma unidade no Chelsea. A decoração do restaurante é elegante, o que deixa o local com uma atmosfera bem mais refinada do que a maioria dos outros que servem fish and chips por aí! Mantendo a tradição com um toque de criatividade, eles conseguiram se firmar como um dos melhores lugares de Londres para comer o prato mais típico do país.

geales-fish-chips-foodandwine-ickfdGeales-fish-and-chips-parasole-ickfdGeales. (Fontes: Food and Wine / Parasole)

Geales. 2 Farmer Street. London. Tel: +44 20 7727 7528. www.geales.com

GOLDEN UNION FISH BAR

Para quem está na região da Oxford Street, uma boa parada bem perto dela é o Golden Union Fish Bar. A decoração desse restaurante também segue um estilo bem retrô com escritos em neon pelas paredes. Com peixe sempre fresco e porções mais generosas, ele faz sucesso na área.

golden-union-fish-bar-viennadoesnthavetowait-ickfd-fish-and-chipsGolden-Union-fish-bar-london-trottemag-fish-and-chips-ickfdGolden Union Fish Bar. (Fontes: Vienna Doesn’t Have to Wait / Trotter Mag)

Golden Union Fish Bar. 38 Poland Street. London. Tel: +44 20 7434 1933. www.goldenunion.co.uk.

ROCK & SOILE PLAICE

Com uma localização privilegiada em Convent Garden, o restaurante está quase sempre cheio durante o dia. Ele foi fundado em 1871 e afirma ser o fish and chips mais antigo de Londres. Enquanto alguns historiadores continuam debatendo sobre isso, não dá para negar que o lugar sabe preparar bem o prato. Em dias quentes, é bom sentar em algumas mesas que ficam ao ar livre.

Rock-&-Sole-Plaice-LondonRock-&-Sole-Plaice-London-fish-and-chips-trottermagRock & Sole Plaice. (Fontes: Divulgação / Trotter Mag)

Rock & Sole Plaice. 47 Endell Street. London. Tel: +44 20 7836 3785. rockandsoleplaice.com.

Padarias na Europa que você precisa conhecer

Publicado em:

inslee-ilustracao-aquarela-ickfdFonte: Inslee

Por mais que muita gente associe aquelas vitrines lindas com docinhos enfeitados a Paris, há muitos outros lugares da Europa que também têm seus doces típicos dispostos de um jeito lindo ao longo de suas padarias. Aliás, confeitaria é com certeza um dos pontos fortes do velho continente: dos pastéis de nata em Lisboa à Sachertorte de Viena, há muita coisa a ser explorada. Vamos, então, ao crème de la crème das padarias na Europa!

Du Pain et Des Idées, em Paris

Por mais que seja difícil escolher uma entre tantas opções de boulangeries em Paris, a Du Pain et Des Idées é uma ótima representante para a capital francesa por ter um dos melhores croissants da cidade!

croissant-du-pain-et-des-idees-padarias-europa-ickfd-thewallstreetjournalFonte: The Wall Street Journal

Pasticceria Marchesi, em Milão

Criada em 1824, a Pasticceria Marchesi é uma boa pedida para quem não fica sem bons chocolates e outros produtos artesanais. Seus brioches são simplesmente deliciosos!

Pasticceria_Marchesi_foto_Agostino_Osio-padarias-europa-ickfdFonte: Agostino Osio/Klat Magazine

Pastéis de Belém, em Lisboa

Quem planeja uma viagem a Lisboa, já deve saber que passar na tradicional confeitaria dos Pastéis de Belém é um item indispensável de qualquer roteiro. Os pastéis de nata são os doces mais característicos da culinária portuguesa e podem ser encontrados em vários lugares ao redor do mundo, mas nada como provar a receita original na confeitaria que é famosa justamente por produzir essas delícias…

comidas-de-rua-doces-europa-pastel-nata-ickfdFonte: Tudo Receitas

Demel, em Viena

Se Viena é famosa por seus cafés elegantes, a Demel é um endereço mais do que recomendado para quem está atrás de doces. Você pode encontrar várias maravilhas da confeitaria local por ali! As tortas de chocolate são um dos seus destaques. Se estiver viajando a Viena no inverno, não perca a chance de tomar o melhor chocolate quente da cidade na Demel!

demel-padaria-europa-jetsetroam-ickfdFonte: Jet Set Roam

Konditori La Glace, em Copenhagen

Dizem que a Conditori La Glace é a padaria mais antiga de Copenhagen. Então você pode imaginar que eles mantêm cada receita como uma obra de arte para simbolizar toda essa tradição. O destaque aqui fica por conta das tortas!

konditori-de-la-glace-lifehacklane-padarias-europa-ickfdFonte: Lifehacklane

Conditorei Schober, em Zurique

Lugarzinho muito popular em Zurique, a Conditorei Schober é uma mistura de café e padaria. No tempo do frio, nada como parar por lá para alguns doces e chocolate quente…

conditorei-zurique-padaria-europa-ickfdFonte: Eat, Explore, Enjoy

Café Savoy, em Praga

Praga é cheia de cafés onde as pessoas se escondem do frio. Se quiser fazer isso também, nada melhor do que ir até o Café Savoy e provar a torta que leva o nome da casa!

cafe-savoy-praga-padarias-europa-ickfdFonte: Prague.eu

St John Doughnuts, em Londres

Como uma gigantesca metrópole, Londres tem uma quantidade enorme de padarias por todos os lados. A St. Johns Doughnuts é uma ótima alternativa para quem está em busca de doces. Vale a pena conhecê-la pelos seus donuts dos mais variados sabores!

st-johns-bakery-doughnuts-threeteaspoons-padarias-europa-ickfdFonte: Three Teaspoons

A inovadora cozinha 3D

Publicado em:

a-inovadora-cozinha-3d-the-food-rush-prato-food-ink-ickfdFonte: The Food Rush 

A arquitetura e o design atual utilizam impressoras que podem criar maquetes e outros objetos em segundos. Mas você já imaginou comer pratos feitos com impressoras 3D? Parece surreal, mas é a realidade no Food Ink, o primeiro restaurante a ter um menu inteiro impresso em 3D!

E a inovação não para por aí, o restaurante diferente dos outros, é móvel e já viajou pela Espanha, Holanda e para o Reino Unido.

A impressora fabricada pela companhia holandesa byFlow cria pratos doces e salgados como: homus, pizza, purê de pera, queijo de cabra e mousse de chocolate. Os pratos utilizam ingredientes frescos e alguns são preparados com técnicas da gastronomia molecular. Além disso, a máquina processa alimentos somente na forma pastosa. A pasta pode ser colocada no extrusor do aparelho para criar esculturas comestíveis.

A-inovadora-cozinha-3d-the-food-rush-peixe-e-batatas-ickfdFonte: The Food Rush

Objetos como as cadeiras, lâmpadas, e os utensílios também foram criados usando a tecnologia. E ainda, para aumentar a experiência tecnológica dos clientes o restaurante dispõe de óculos com realidade virtual e músicas ambientes compostas por um computador.

A-inovadora-cozinha-3d-the-caterer-blog-food-ink-ickfdFonte: The Caterer Blog

A proposta dos criadores, todos arquitetos, designers e engenheiros, é alimentar a discussão da importância de novas tecnologias mudando nossos hábitos alimentares e culturais.  E como será o futuro da alimentação, nutrição e saúde.

A ideia do Food Ink é o início de um futuro imprevisível para a culinária moderna, contudo, o jantar com todo esse aparato pode custar £250 por pessoa, o que torna essa experiência um pouco salgada para o freguês.

A-inovadora-cozinha-3d-time-out-garcom-pratos-food-ink-ickfdFonte: Time Out

5 lugares imperdíveis para tomar o Chá da tarde em Londres

Publicado em:

cha-da-tarde-ickfd-eslafternoontales

Mundialmente, um dos hábitos mais conhecidos dos ingleses é tomar o chá da tarde às 17h. Já é algo que se tornou uma característica marcante do estilo de vida britânico. Obviamente, os salões de chá fazem sucesso em Londres tanto entre os habitantes locais quanto entre os visitantes estrangeiros.  Para muitos, fazer uma pequena pausa nas andanças pela capital britânica para isso é um jeito de tornar a experiência de viagem ainda mais autêntica. Pensando nisso, separamos cinco excelentes lugares para você se aventurar nesse delicioso costume inglês na sua próxima visita à Londres!

FORTNUM & MASON

A Fortnum & Mason tem um cardápio de chá da tarde muito elogiado, que conta com pequenos sanduíches e doces. O Diamond Jubilee Tea Salon, onde é servido o chá, é elegantemente decorado com cores claras. Aliás, o espaço foi inaugurado pela própria rainha.

cha-da-tarde-londres-mariana-martins-fortnum-mason-ickfdFonte: Fortunm & Mason

BROWN’S HOTEL

Servido na sua English Tea Room, a experiência de chá da tarde do Brown’s Hotel é muito reconhecida na capital inglesa. A decoração é muito bonita e ainda há um piano no local que, eventualmente, é o som ambiente que você vai ouvir.

cha-da-tarde-londres-ickfd-mariana-martins-browns-hotelFonte: Brown’s Hotel.

THE BERKELEY

O grande diferencial do The Berkeley foi saber inovar com muita criatividade um ritual tão tradicional quanto o chá da tarde. Os bolos e doces da refeição foram inspirados por criações do mundo da moda. O mais legal é que o menu é constantemente atualizado para acompanhar novas coleções das passarelas de prêt-à-porter (a expressão significa “pronto para vestir” e faz referência às roupas de fast fashion) e sempre se manter up-to-date.

cha-da-tarde-londres-ickfd-mariana-martins-the-berkeleyFonte: The Berkeley.

THE LANGHAM

O The Langham oferece uma experiência de chá da tarde sofisticada e tem muita tradição no assunto. O menu conta com pratos de culinária inglesa e culinária internacional. Para quem for a algum espetáculo do West End, região turística de Londres, o hotel não fica muito distante e é uma ótima parada na área.

cha-da-tarde-londres-ickfd-mariana-martins-langhamFonte: The Langham.

SHANGRI-LA no THE SHARD

Para um chá da tarde com vista para lindas paisagens, você pode ir ao hotel Shangri-La. Ele fica no famoso edifício The Shard, que tem vistas excepcionais de Londres. Se você já estiver se programando para ir ao The Shard pelas paisagens panorâmicas que temos lá de cima, nada melhor do que também fazer uma pequena parada no Shangri-La na hora do chá.

cha-da-tarde-londres-ickfd-mariana-martins-shangri-laFonte: Shangri-La Hotel.

Camden Town

Publicado em:

Um dos lugares mais legais que eu conheci em Londres foi Camden Town, que é perfeito para quem prefere fugir do luxo e dos lugares mais comerciais da cidade.

Ao chegar no bairro você vai se deparar com muitas e muitas lojas de roupas modernas, brechós e algumas invitáveis lojas de souvenirs (não tem jeito, é um bairro bastante popular). Novamente, se você não focar, vai ficar horas só no primeiro quarteirão. Eu preferi seguir o fluxo e levaram até um lugar que é com certeza o meu preferido em Londres: o Camden Market. São dezenas de stands de antiguidades e quinquilharias, pequenos designers de moda, artesãos muito criativos e barracas de comidas. Eu entrei por um lado que a primeira barraca era de um tiozinho vendendo vinho quente! Lá o nosso vinho quente é chamado de Mulled Wine. Não tive dúvidas e comprei um copão que deu aquela esquentada no corpo para continuar a caminhada (e me deixou bem nostálgica também).

Depois de explorar todas as lojinhas de lá, era hora de comer alguma coisa. A “praça de alimentação” deles era novamente internacional e realmente tinha de tudo! Comida indiana, japonesa, chinesa, paquistanesa, churrasco brasileiro, cozinha etíope, doces belgas… Mas o que me chamou a atenção foi uma barraca só, a que tinha mais cara de inglesa e não era de fish and chips: era um trio fazendo sanduíches de pernil! Na frente da barraca eles iam cortando metade de um porco inteiro assado, que estava com um aroma divino, serviam num pão ciabatta fresquinho (é… não era tão inglês então), com uma saladinha de rúcula bem temperada e o molho era um delicioso purê de maçã. O sanduíche me custou 5 libras esterlinas, super bem servido e valeu muito a pena pois estava tão bom quando aparentava.

candem3De sobremesa, eu não aguentei: tinha uma barraca com uma bandeira do Brasil enorme, na qual um casal de gaúchos vendia churros brasileiros. A massa era feita na hora (alí mesmo para todos verem), frita na medida certinha e recheado com um bom doce de leite. A barraca estava lotada e demorei um tempão para conseguir me aproximar. O churros custava 2 libras e valeu cada centavo. Há anos eu não comia um churros tão bom e fiz questão de parabenizar o casal.

candem2candem4candem1A praça de alimentação possui mesas para que você possa sentar e apreciar a sua comida e o movimento do lugar, mas são super concorridas. Felizmente consegui encontrar uma para comer tranquila e descansar um pouco e recuperar a energia para bater mais perna!

 

Passeio imperdível!

 

http://www.camdenlock.net

 

Chá da tarde em Londres (The Waldorf Hilton)

Publicado em:

Para aqueles que gostam de programas tradicionais, uma boa pedida é tomar um chá da tarde em Londres! Tem programa mais típico?

Uma amiga que estava morando na cidade fez a gentileza de reservar uma mesa para a gente no Hilton, que oferecia um cardápio fechado por cerca de 25 libras e incluía doces, salgados, mini sanduíches e chás a vontade. Confesso que fiquei intimidada, pois ir ao Hilton para fazer qualquer coisa não é muita a minha cara. Acho a marca chique, sem dúvidas, mas também careta. Mas encarei a experiência.

Ao chegar no hotel, que estava bem movimentado, minhas suspeitas se confirmaram: pessoas muito bem vestidas e com ares de “executivos de alto escalão” super ocupados nos seus celulares e laptops. Nós fomos conduziadas ao salão de chá e a pompa continuou: ao chegar o salão, uma recepcionista bem vestida se ofereceu para guardar nossos casacos e sacolas. Depois de um dia caminhando bastante pra cima e para baixo, um bom chá quente ia cair como uma luva!

O salão era bem clássico, com mesas redondas pequenas, cadeiras “rococós” com veludo verde meio antigo, pessoas bem vestidas tomando os seus chás e falando baixinho. Aliás, só mulheres! Um grupo chegou junto com a gente e quebrou um pouco a seriedade do ambiente. Eram jovens londrinas muito das barulhentas, celebrando uma bela tarde entre amigas.

The Waldorf HiltonA nossa mesa estava pronta, com xícaras brancas discretas (e confesso que esperava mais da porcelana! Cadê minha xícara de flores? Humf!). Mas a hora que chegou nossa comida eu já tinha esquecido de tudo: pratinhos com deliciosos Scones feitos bem quentinhos, tortinhas de creme com frutas vermelhas, manteiga, geléia caseira e mini sanduíches variados. Estava tudo divino!

The waldorf Hilton 2A carta de chás era uma coisa a parte. Eu adoro chás, posso dizer que desde criança eu bebo chá com bastante frequência, mas não sou nenhuma conhecedora. Quando me deram o cardápio fiquei com aquela cara de concha de “e agora?”, porque eram chás super especiais, de diferentes procedências. Não tinha nenhum dos que eu conhecia (infusões de camomila, hortelã, erva cidreira, hehe!). Até o “chá preto” inglês não tinha. Porque de chá preto tinha bem uns 15! Earl Grey, Darjeeling, Orange Pekoe, Ceylon… Bom, eu fiz cara de conteúdo, vi um que tinha Jasmin no meio e pedi. Menos mal, deu tudo certo.

E além de tudo, veio o Tea Timer que eu comentei neste post aqui, que eu nunca tinha visto até então, e achei ótima a frescurinha!

Recomendo muito o programa para quem topar tomar um chá bem tradicional em Londres!

Hummingbird Bakery

Publicado em:

Após o meu recheado sanduíche de faláfel (que descrevi neste post aqui), eu voltei a subir a Portobello Road para voltar até um lugar que tinha avistado enquanto descia (na vontade de ver tudo antes que escurecesse demais), a Hummingbird Bakery.

Eu não sei exatamente como foi que a Humming Bird Bakery entrou no meu imaginário, realmente não lembro se vi em algum blog, revista ou filme. Mas ao ver a fachada eu disse a mim mesma “Opa! Parada obrigatória aqui!”. Eles possuem livros de receitas publicados, então talvez já tenha cruzado com eles em alguma livraria.

Londres é de fato uma cidade maravilhosa. Para qualquer lugar que você olhe tem sempre alguma construção antiga, uma loja modernosa, um parque que parece uma pintura, um café bacana. Eu realmente acho que quem diz que “come-se muito mal em Londres” ou não sabe reconhecer um lugar legal quando vê, ou não sabe procurar em guias (porque restaurantes e cafés bem criticados e chefs renomados é o que não falta) ou então só sabe é comer o feijão com arroz da mamãe.

hummingbird2Mas uma coisa ainda falta: um lugar que represente a cultura inglesa de fato, porque todos os demais são sempre de inspiração de alguma outra cultura. Acho que mercados de produtores que vendem queijos, pães, tortas, etc, é o que mais se aproxima disso. Jamie Oliver, um dos chefs mais conhecidos da Inglaterra, continua conzinhando comida italiana. E agora, o slogan da Humming Bird Bakery é “American-style baking” e segundo o fundador dela, “não se achava um lugar em Londres para comer doces autênticos americanos”. Ao ler essa frase (que está no site deles) tive um ataque de riso porque parece piada mesmo. No Brasil, existe há anos um movimento de resgate às nossas raízes, com chefs explorando o melhor e mais autêntico que a nossa terra tem para oferecer. E nós temos muita coisas, sim senhor (além de bananas)! Na França então, nem se fala. Em épocas de globalização irreversível, acho bonito ver uma nação que valoriza tanto a sua cultura.

hummingbird1Mas voltando, então tá né. Porque cupcakes, whoopie pies e red velvets são ótimos de qualquer forma e eu adoro! A Hummingbird, que foi aberta em Notting Hill em 2004, ficou tão famosa e deu tão certo que já abriu mais 4 lojas além dessa em Londres. O lema deles é manter os produtos o mais fresco e “caseiros” o possível, portanto cada loja tem a sua cozinha e seu time de experts trabalhando. Acho interessante pois, apesar do grande movimento que as Hummingbirds recebem, eles conseguem minimizar aquele resultado massificado, de largas produções em série. Além de tudo, foi exatamente a Hummingbird que fez os cupcakes e whoopie pies ficarem famosos no Reino Unido.

Ao entrar na Hummingbird Bakery eu precisei enfrentar uma fila, mas os atendentes são eficientes e ágeis e eu fui rapidamente atendida. O lugar não tinha nada demais. A decoração não era a mais linda que eu já tinha visto e a apresentação dos produtos também não era grandes coisas. Achei uma pena, pois a apresentação tanto do lugar quanto do produto já é metade do caminho para encantar o cliente. Aliás, achei tudo lá dentro bem mais ou menos e pelas fotos vocês podem ver que os docinhos aparecem meio “caídos”.

 

Como já estava lá, e com muita vontade de comer um doce, eu pedi um cupcake de chocolate com cobertura de chocolate e confeitos de chocolate. Tava com uma carinha de “cupcake de brigadeiro”, obviamente não era, e eu não resisti. Como eu não ia ficar lá dentro para comer, eles embalaram meu cupcake em uma caixinha lindinha para eu levar. A minha opinião aqui será um tanto quanto limitada pois eu acabei provando somente um cupcake, que tinha carinha de ser um bom cupcake, mas não um grande cupcake. Mas como já diziam que as aparências enganam, este cupcake estava maravilhoso! A massa era super fofinha e úmida na medida, com jeito de que tinha sido feito no mesmo dia. A cobertura dele era aqueles “icings” que eles chamam, algo que nunca fiz, mas açúcarado na medida e nem um pouco gorduroso. Comi o cupcake me esbaldando e recomendo uma visita lá sim!

hummingbird3Humminbird Bakery – Notting Hill

 

133 Portobello Road

 

Notting Hill, Londres

 

W11 2DY

Jamie’s Italian

Publicado em:

Foi quando comecei a estudar e trabalhar na gastronomia que me deparei com uma figura bastante curiosa: Jamie Oliver. Um cozinheiro inglês novinho, que falava enrolado, era bastante despojado e um pouco atrapalhado. A primeira vez que o vi foi no seu programa de culinária The Naked Chef, no canal GNT e foi simpatia a primeira vista. Não tem como não se encantar com ele! Sempre muito bem humorado, ele propaga a boa gastronomia de forma jovial e, o melhor de tudo, de forma acessível e muito despretensiosa. Aos seus olhos, todos podem ser bons cozinheiros! Para Jamie Oliver, cozinhar é fácil e necessário para cultivar uma vida saudável.

Assistir aos seus programas era sempre uma inspiração pois me permitia pensar que gastronomia profissional poderia ser algo mais leve, divertido, criativo e diferente das técnicas rígidas que eu aprendia na faculdade. Contudo, Jamie Oliver sempre foi muito criticado por outros chefs mais clássicos, e meus professores, por causa da sua postura e “falta de técnica”. Há quem diga que ele nem chef de cozinha é. Eu prefiro pensar que as coisas na gastronomia tendem a ser um pouco subjetivas e não existe um certo e errado. Existe somente o gosto pessoal. Para cada um de nós, a comida ou é boa, ou não é. Pouco importa se a cebola foi cortada em cubos médios, ao invés de brunoise, se o peixe cozinhou 1 minuto a mais do que deveria ou se o brigadeiro ficou com gruminhos (adoro!). jamie1Críticas à parte, eu pude assistir a evolução da carreira de Jamie Oliver. Ele já fez diversos programas de culinária para TV, publicou vários livros de receitas, tem uma associação que ajuda jovens carentes a se formarem cozinheiros, milita pela melhora da qualidade das merendas escolares no Reino Unido e abriu diversos restaurantes pelo mundo. Dito isso, pode-se pensar que todas as críticas são puro desdém, tamanho é seu sucesso comercial. Anos depois, a sua filosofia e simpatia continuam as mesmas.

 

Ir a um restaurante de um chef famoso parece sempre algo meio inalcançável. É sempre necessário fazer reserva com bastante antecedência e custa caro. Na cidade de Londres na Inglaterra temos ao menos dois ótimos exemplos de grandes chefs de fama internacional e seus restaurantes: Heston Blumenthal do Fat Duck e Gordon Ramsay, o chef malcriado e esquentado do Pétrus. Porém, eu visitei Londres com um orçamento apertado e não coloquei grandes restaurantes na minha lista. Fui ver duas amigas nesta cidade e uma delas está morando lá por causa de seu trabalho e já conhece Londres muito bem. No meio de uma conversa eu comentei que adoraria jantar em um restaurante do Jamie Oliver algum dia. Foi aí que ela me disse que conhecia o Jamie’s Italian no Covent Garden em Londres, que era um restaurante muito bom, de preços acessíveis e que não precisaríamos fazer reserva alguma. Quase não acreditei que finalmente conheceria um restaurante do Jamie Oliver! Topei o programa na hora!

 

O Jamie’s Italian que visitei (pois existem outras unidades) foi o do Covent Garden, muito bem localizado e próximo das estações de metrô Covent Garden e Leicester. Fomos em uma segunda-feira por volta das 20h e foi necessário aguardar na espera por cerca de 15 minutos somente. A primeira impressão foi muito boa pois o ambiente traduz muito bem a filosofia de Jamie Oliver. O Jamie’s Italian é aconchegante, tem uma decoração jovial e alegre e nota-se que os detalhes foram muito bem pensados.

jamie2Quando chego em um restaurante a primeira coisa que faço é pedir licença às minhas companhias para ir ao toilet. Acho que toilets impróprios e sujos para os clientes gritam que a gerência e/ou chef não dão a mínima para o estabelecimento. O do Jamie’s Italian, além de lindo, estava impecável.

 

Logo chegou o nosso garçom com os cardápios e cartas de vinho. A carta de vinhos oferece opções em taça e, obviamente, em garrafas a preços justos. Eu pedi uma taça de Montepulciano d’Abruzzo que custou cerca de 5 libras esterlinas, mas as demais opções custavam entre 4 e 7 libras. De entrada, minhas amigas e eu pedimos para beliscar o “Nachos de abóbora com parmesão e salsa picante”, que na verdade eram ravioles de massa bem fininha, recheados com puré de abóbora e fritos por imersão, salpicados com parmesão ralado e servidos com um molho de pimenta a parte (cerca de 6 libras). Estava uma delícia e foi uma excelente escolha para dividir.

 

De prato principal eu pedi um Risoto de Trufas Negras, porque eu não posso ver nada no cardápio com  “trufas” que não penso em outra coisa! O cardápio também tinha opções de carnes e peixes, por 12 libras o prato, aproximadamente. O meu risoto estava bem leve, no ponto de cozimento correto (“al dente”) e cremoso. Pro meu paladar faltou somente um pouquinho de sal, mas uma das minhas amigas pediu o mesmo prato e ela achou que pra ela estava ideal. Os risotos e as massas podem ser pedidos em dois tamanhos diferentes, pequeno (cerca de 6 libras) e grande (12 libras). Nós pedimos o pequeno e achamos o tamanho ótimo. A outra amiga estava numa pegada mais light e pediu uma Salada de rúcula com pêras com presunto cru (cerca de 11 libras), que estava linda, bem servida e foi aprovadíssima.

 

jamie3De sobremesa, nós dividimos uma mousse de chocolate com Vin Santo, com sorvete de zabaglione e biscoitos de amêndoas. Para quem não conhece, o Vin Santo é um vinho licoroso tradicional italiano, da região da Toscana, feito geralmente com as uvas Malvasia e Trebbiano que quando colhidas são postas em esteiras para desidratar e concentrar os açúcares, resultando em um vinho, bem docinho e bastante apreciado, excelente para ser servido como acompanhamento de sobremesas, embora os italianos também utilizem este vinho para elaborar sobremesas mais requintadas. A mousse estava bem densa e saborosa, porém ela foi coberta  com um creme muito rico em gordura, o que achei dispensável. O sorvete de zabaglione estava uma delícia e bem leve e os biscoitos de amêndoas, chamados de “biscotti”, estavam divinos e eu poderia ter comido uma caixinha inteira!

Mas, como nada é perfeito nesta vida, o serviço foi um pouco desatento. O garçom estava indo muito bem até o final do jantar, quando ele esbarrou no copo de água da minha amiga e derrubou metade da água na mesa. Um acidente, claro, mas o problema é que hora nenhuma ele veio secar a mesa! E ficou o tempo todo ao nosso lado. Minha amiga não reclamou nem nada, mas eu achei uma baita bola fora. No entanto, a experiência foi bastante positiva, eu recomendo bastante uma visita ao Jamie’s Italian e com certeza o visitarei novamente na próxima vez que eu for à Londres!

O Jamie’s Italian que eu visitei foi o do 11 Upper St. Martin’s Lane, em Covent Garden.

 

Notting Hill e o Falafel King

Publicado em:

Viajar para Londres com um orçamento apertado poder ser complicado. Tudo por lá é caro: alimentação, hospedagem, transporte… Para compras existem alguns poucos lugares muito em conta, especialmente se você curte brechós.

Eu gosto mesmo é de comer bem. Então já me conformo que vou deixar as compras de lado um pouquinho para gastar em lugares que poderei ter uma experiência gastronômica e cultural memorável.

Foi a minha segunda vez em Londres, mas a primeira no bairro de Notting Hill. Eu tinha somente um dia para poder conhecer lá, que era em um domingo, o único dia que a famosa feira de rua não estaria lá. Fiquei um pouco cética pensando em como é que um dos bairros mais famosos de Londres, em pleno domingo, não teria nada a oferecer aos visitantes. Pois a minha dica aqui é a seguinte: mesmo sem a famosa feira, Notting Hill ferve no domingo. Eu cheguei lá de metrô e andei até a rua principal, a Portobello Road e fui descendo.

falaffel1Para começar, o bairro residencial é muito lindo. É cheio de casinhas coloridas e as árvores de fim de outono deixavam tudo ainda mais charmoso. Quando você chega na Portobello Road, você avista todas as lojas de artesanatos, porcelanas, roupas e badulaques abertas. Se você não focar, fica o dia inteiro em um só quarteirão. Isso sem contar os cafés também, lotados de londrinos tomando o seu brunch.

Me empolguei e fui até o final da rua. Se você continuar a Portobello Road e passar por debaixo de um viaduto, você chegará em um brechó aberto e “praça de alimentação internacional”, que são na verdade vários feirantes de diversas nacionalidades que estacionam lá suas kombis e vendem lanches rápidos. Eu teria comido um sanduíche de pernil (sim, lá também tem!) se não tivesse visto uma lanchonete bem simpática (e que tinha mesinhas do lado de fora para sentar), o Falafel King.

falafel2Falaffel2O lugar tinha gente entrando e saindo (dica: quando estou sem referências de onde comer, sempre entro em algum lugar que está cheio de gente, mesmo que encare filas; todas aquelas pessoas não podem estar erradas!), então de curiosa entrei para ver do que se tratava. Eu já tinha comido faláfel em São Paulo, num restaurante de cozinha libanesa que gosto muito e quis ver como é que serviam por lá. Para quem não conhece, o faláfel é um bolinho de massa de grão de bico frito, e em São Paulo eu misturava os bolinhos a todas as outras coisas que eu colocava no prato.

O Falafel king é uma lanchonete de esquina e que, apesar de cheia, estava bem organizada e com uma decoração lindinha de mandalas e outros peças de origem árabe. Três meninas serviam o público, todas muito educadas e com o sorriso tímido. Dentro do restaurante não tinha mesas, e do lado de dentro eles tinham uma placa dizendo que serviam “take away food”, ou seja, você escolhe, paga e leva a sua comida pra comer em algum outro lugar. O faláfel é servido dentro de um pão sírio como sanduíche, com bastante molho tahine, salada de alface, tomate e pepino (com algumas outras opções de acompanhamento) e se você quiser, e aguentar, pimenta. Por 5,50 libras esterlinas você compra um sanduíche de faláfel muito bem recheado. Eu pedi a versão kids, um pouco menor, por 3 libras, que eu me esforcei muito pra acabar (tava tão bom que não ia desperdiçar nem a pau!), uma ótima barganha! Servem também uma limonada caseira de graça para quem quiser.

Falaffel5Apesar do lugar ser “take away”, eles mantém algumas mesas do lado de fora para seus clientes. Achei uma mesinha ao sol (porque estava bem frio por lá), sentei com minhas amigas e ficamos um tempão batendo papo e vendo o movimento da rua. Aproveitei também para comprar um chá de hortelã, que eles fazem por lá com ervas fresquíssimas, e me custou 1 libra. Apesar do bolinho ser frito, estava bem sequinho (não senti gosto de gordura alguma) e todos os demais ingredientes eram bem frescos. Inclusive, é uma ótima opção para vegetarianos, pois no faláfel não tem carne alguma.

Teria sido perfeito se não fosse por um acontecido: o chilique do dono. Um grupinho que tinha comprado seus lanches na feira ao lado resolveu sentar nas mesas do Falafel King. O dono do estabelecimento viu, foi até eles com uma vassoura (!) e começou a gritar dizendo coisas como “Eu faço aqui uma coisa legal para vocês e além de não comprarem a minha comida vocês estão fazendo a maior bagunça! Caiam fora daqui!”. Bom, o grupinho (todas mulheres) foi embora na hora, mas voltou uns 10 minutos depois com amigos homens para entrarem dentro do restaurante e ofender o dono mais um pouco. Mais alguns minutos de gritaria, alguns socos foram trocados, alguns clientes espantados, mas finalmente o pessoal foi embora e o dono foi pra dentro do restaurante.

Eu, sem temor algum pela minha vida, fui pra dentro do restaurante perguntar para as moças que estavam servindo se poderia tirar algumas fotos para fazer este post. De olhos arregalados, a menina que me serviu disse que era melhor que eu voltasse outro dia, pois se o dono me visse com a câmera, sabe-se lá o que ele ia pensar e eu corria risco de levar umas chapuletadas também.

Falaffel4De qualquer forma, acredito que tenha sido um fato isolado pois o lugar continuava com gente entrando e saindo. Sanduíche de faláfel bom e barato, recomendo muito!

Falafel King

274 Portobello Road

North Kensington, Londres